Vivian Osborne Marsh

A sua lista de contribuições para o avanço e igualdade de homens e mulheres negros é vasta e o seu impacto é incontestável.

Vivian Osborne Marsh

 

Vivian Osborne Marsh foi uma das mulheres negras mais influentes em São Francisco. Marsh serviu a sua comunidade como ativista e membro do governo. 

Vivian Costroma Osborne (nome de nascimento) nasceu em Houston, Texas, a 5 de Setembro de 1897, e mudou-se para a Califórnia aos quinze anos de idade com a sua irmã e mãe que era viúva. Após o secundário, candidatou-se à Universidade da Califórnia-Berkeley, e como foi estudante no Sul, foi obrigada a fazer numerosos exames de admissão. No entanto, por ela ter tido tão bons resultados nos exames, eles suspenderam essa política pouco tempo depois. 

Vivian foi a primeira mulher negra a formar-se em antropologia na Universidade da Califórnia-Berkeley. Obteve dois diplomas em Berkeley: uma licenciatura em 1920 e um mestrado em 1922, ambos em antropologia. 

 “Só na América, as histórias que o negro trouxe de África ou foram preservadas nas suas formas nativas, trabalhadas inteiramente … ou são alteradas para se adaptarem ao seu meio” – mencionou na sua tese de mestrado intitulada Types and Distribution of Negro Folklore in America 

 

Foi também membro fundador e primeira presidente da Kappa Chapter of Delta Sigma Theta Sorority, trazendo a primeira sorority historicamente negra para o campus. Delta Sigma Theta, fundada na Universidade de Howard em 1913, proclamava um duplo propósito de “excelência académica e serviço social”. Osborne manteve uma manteve uma relação próxima e duradoura com a sua sorority e acolheu muitas reuniões de membros em sua casa em Berkeley. De 1935-39, foi a sétima presidente nacional. Uma das suas iniciativas foi uma biblioteca ambulante para crianças na Geórgia rural.  

 

Após o casamento com o veterano da Primeira Guerra Mundial Leon F. Marsh, em 1921, Vivian Osborne Marsh e o seu marido foram ativistas comunitários e líderes influentes em muitas organizações em São Francisco e no Estado. Juntos, tiveram dois filhos, Roy Curtin Osborne, e Leon F. Marsh Jr.; Leon Jr. foi o primeiro bombeiro negro em Berkeley.  

Em 1931, enquanto servia como secretária da Direção do Norte da Federação de Clubes de Mulheres de Cor da Califórnia, Vivian lutou afincadamente para impedir um projeto de lei racista que teria segregado as crianças em áreas recreativas. Durante a Grande Depressão Marsh liderou a Divisão de Assuntos Negros da Organização Nacional da Juventude, que encontrava emprego a jovens desempregados.

 

Foi eleita presidente da Associação das Mulheres de Cor do Estado da Califórnia em 1941 e foi ativa no Conselho Nacional das Mulheres Negras. Durante a Segunda Guerra Mundial, Marsh liderou o Corpo de Ambulância e Defesa das Mulheres da América. Ela concorreu ao Conselho Municipal de Berkeley com o apoio de várias organizações em 1959, mas perdeu.  

A sua lista de contribuições para o avanço e igualdade de homens e mulheres negros é vasta e o seu impacto é incontestável. A cidade de Berkeley declarou o Dia da Vivian Osborne Marsh em 21 de Fevereiro de 1981, para honrar a sua liderança, um pequeno sinal de gratidão por uma vida incansavelmente passada ao serviço da comunidade. 

 

Ficou viúva quando Leon F. Marsh morreu em 1968, e posteriormente morreu a 8 de Março de 1986, com 87 anos de idade, num lar de idosos em El Cerrito, Califórnia, na sequência de um derrame cerebral. O jogador de futebol Canadiano Dante Marsh é o seu bisneto. 

 

 

HERSTORY Makes History 22, Agosto 2022