Homens famosos a favor do feminismo

John Legend, Justin Timberlake, Harry Styles e o Principe Harry são só alguns dos nomes que falamos aqui neste artigo.

Homens famosos a favor do feminismo

 

Porque os verdadeiros HOMENS são feministas.

 

John Legend 

John Legend dá voz ao feminismo, defendendo a igualdade de género e os direitos da mulher. 

Para o videoclipe da sua música “You and I”, selecionou 63 mulheres de várias idades, tamanhos e estilos e perguntou-lhes o que vêm quando se olham ao espelho. 

As histórias das mulheres são contadas no documentário ‘When I Look In The Mirror’. Tanto o documentário como a música pretendem enaltecer o empoderamento feminino e fazem parte do Desafio de Caridade #OperationGirl, criado por John e algumas associações. Este tem como objetivo fazer com que várias organizações cooperem para educar e proteger os direitos de mulheres em todo o mundo. 

John Legend em 2013, durante um concerto afirmou “Todos os homens deveriam ser feministas. Se os homens se importassem com os direitos das mulheres, o mundo seria um lugar melhor”. 

Nesse mesmo ano criou o – The Sound of Change Live – um concerto que fez ao lado de Beyoncé, Ellie Goulding e Florence and the Machine, entre outros cantores onde angariaram dinheiro para doar a uma associação que ajuda mulheres – Chime For Change.  

 

Justin Timberlake 

Por coincidência, em 2013, Justin Timberlake lançou uma música cujo nome era o mesmo de uma fundação que combate a violação – “Take Back The Night”. 

Quando se apercebeu, Justin quis saber mais sobre esta organização e dar visibilidade a este tema “aprendi mais sobre a fundação The Take Back The Night, e sinto-me obrigado a medir esforços para acabar com a violência contra as mulheres, criar comunidades seguras e incentivar relações de respeito para com elas – algo que todos deviam fazer. A minha esperança é que essa coincidência traga mais consciência para esta causa.” 

 

Barack Obama 

Em 2016, Barack Obama escreveu um artigo sobre o empoderamento feminino para uma revista americana. Neste artigo defende o feminismo e diz que homens devem lutar contra o machismo. 

“Feminismo no século 21 é isso: quando todos são tratados de forma igual, somos todos mais livres.”

 

Andy Murray 

Andy Murrau marcou a sua carreira não só pelos seus feitos no ténis, como também, por sempre ter defendido a importância da igualdade de géneros, no mundo e no desporto.  

Um dos acontecimentos mais marcantes da sua carreira foi a decisão de contratar, em 2014, uma treinadora mulher – Amelia Mauresmo. “Eu sabia que trabalhar com Amelie causaria especulações, porque poucos jogadores antes de mim trabalharam com uma treinadora mulher. Imaginei que isso poderia criar um sentimento de desconfiança e até negatividade. Mas o que não tinha noção era que Amelie teria que enfrentar tantas críticas e preconceito. Tive um início de temporada mau, e as coisas só melhoraram desde que ela chegou. Eu estava em 11º no ranking e agora estou em 3º. Isso fala por si só. As competências dela sempre foram postas em dúvida, sinto-me envergonhado (…) Se eu me tornei feminista? Bem, se ser feminista é lutar para que uma mulher seja tratada da mesma forma que um homem, então sim, eu tornei-me feminista.” 

 

Joseph Gordon-Levitt 

Desde cedo que o ator Joseph Gordon-Levitt se define como “feminista masculino” e dá créditos à educação que a sua mãe lhe deu, defende que a mãe o criou a ele e ao irmão para que estivessem ao lado das mulheres na luta pelos direitos e igualdade. 

“Não deixas o teu género definir quem tu és – tu podes ser quem quiseres ser, seja homem, mulher, menino, menina, o que for. Seja como for que tu te queiras definir, tu podes fazer isso e deve ser capaz de fazer isso, e nenhuma “categoria” realmente descreve uma pessoa porque cada pessoa é única. Isso, para mim, é o que “feminismo” significa. Então sim, sem dúvida que eu me intitulo de feminista. E se tu olhares para a história, as mulheres são uma categoria de pessoas oprimidas. Há uma longa, longa história de mulheres que sofrem de constantes abusos, injustiças e não têm as mesmas oportunidades que os homens. Acredito que se todos tiverem oportunidade de ser o que querem e fazer o que querem, o mundo seria melhor para todos.”  

(versão EN: You don’t let your gender define who you are—you can be who you want to be, whether you’re a man, a woman, a boy, a girl, whatever. However you want to define yourself, you can do that and should be able to do that, and no category ever really describes a person because every person is unique. That, to me, is what “feminism” means. So yes, I’d absolutely call myself a feminist. And if you look at history, women are an oppressed category of people. There’s a long, long history of women suffering abuse, injustice, and not having the same opportunities as men, and I think that’s been very detrimental to the human race as a whole. I’m a believer that if everyone has a fair chance to be what they want to be and do what they want to do, it’s better for everyone. It benefits society as a whole.” 

 

Harry Styles 

Harry Styles é conhecido por falar abertamente em nome da comunidade LGBTQI+, Black Lives Matter entre outras. Também apoiou a campanha “HeForShe – um movimento de solidariedade pela igualdade de género. Em 2020, foi capa da revista Vogue com o propósito que “roupa não tem género”. 

“Cresci com a minha mãe e a irmã, e quando se cresce com mulheres, a influência feminina é claramente maior. Os homens e mulheres devem ser iguais. Não quero ser premiado por ser feminista.”  (EN: “I grew up with my mum and my sister — when you grow up around women, your female influence is just bigger. Of course men and women should be equal. I don’t want a lot of credit for being a feminist.” 

 

Daniel Craig 

Na carreira de Daniel Craig destaca-se o seu papel de James Bond. Léa Seydoux, uma das suas colegas, num testemunho sobre o ator, diz que “Craig transformou um personagem considerado ‎‎misógino em feminista, o que é muito importante‎‎”. 

Daniel Craig vestiu-se de mulher num vídeo institucional da ONG We Are Equals para celebrar o Dia Internacional das Mulheres.  

 

Principe Harry 

Num discurso feito em junho de 2013, o príncipe Harry afirmou: “Homens de verdade tratam as mulheres com dignidade e dão-lhes o respeito que merecem”.  A sua esposa, Megan Markle, elogia-o, várias vezes, por exercer a paternidade de uma maneira feminista. Numa conversa com Gloria Steinem disse “Não há vergonha de ser alguém que defende os direitos humanos fundamentais para todos, o que, claro, inclui as mulheres.” 

“Sabemos que quando as mulheres têm poder, elas melhoram a vida de todos à sua volta, as suas famílias, as suas comunidades, e os seus países”. 

 

 

Eddie Vedder 

Eddie Vedder, vocalista da banda Pearl Jam, declarou-se a favor da legalização do aborto – “Não é brincadeira. Não é uma questão religiosa. Trata-se do futuro da mulher” afirmou. “Normalmente sou bom com o meu temperamento, mas todos estes homens que tentam controlar o corpo das mulheres começam realmente a irritar-me”, disse Eddie durante um concerto em 1994. 

Ao longo da sua carreira promoveu a luta por um mundo moderno que aceite e promova as mulheres – ele lutou pelos direitos reprodutivos, falou contra a agressão sexual, entre outros temas.   Em 2018, durante um concerto fez um discurso feminista a favor da igualdade de género. 

 

 

Ryan Coogler 

Ryan Coogler sempre promoveu o papel das mulheres nos grandes filmes e nas suas produções. “Sinto que as mulheres são melhores cineastas do que os homens” – disse o realizador.  Chega a afirmar que estar numa reunião onde há poucas ou nenhuma mulher não é saudável para o processo criativo. “A forma como as mulheres veem as coisas e fazem comentários é radicalmente diferente. E quando tu tens esse equilíbrio, é um verdadeiro trunfo.”

 Ryan apela, várias vezes, para haver mais atrizes e produtoras mulheres. Acredita que o mundo do cinema será melhor com mais mulheres a contar as histórias.  

 

 

HERSTORY Makes History 03, Agosto 2022